Miam-ó-fruta uma refeição salutar de France Guillain

O Miam-ó-fruta é uma receita multi-centenária, de notável capacidade nutritiva e completamente natural. Esta é uma receita de France Guillain. Uma refeição universal para conservar uma boa saúde, além de outros benefícios.

A autora do Miam-ó-fruta é uma navegadora francesa, nativa da Polinésia. France Guillain, 78 anos, é uma pessoa impressionante, sempre ativa. Uma mulher « independente e intensa » como marca Biba e outras revistas. Durante anos France viajou, pelo mundo afora, de barco à velas com as cinco filhas. Assim tendo a responsabilidade da saúde das filhas, e da sua própria, ela criou o seu famoso Miam-ó-fruta. O Miam é uma refeição fortalecedora. Ela poderia mesmo resolver problemas de má nutrição em países ditos «pobres», mas ricos em frutas.

France-Guillain
France Guillain ©France Guillain

Além disso o Miam-ó-fruta é um prato delicioso, bonito. O que é  importantíssimo para o cérebro, porque o cérebro gosta de coisas bonitas e cansa rápidinho do que é feio. Na realidade o Miam abre o apetite e é apreciado por todos, das crianças aos idosos. É como se fosse um papel de presente que esconde uma boa surprêsa.

Uma boa recompensa

Enfim o Miam-ó-fruta é bom para a memória, para a atenção e a concentração. Além de reduzir a queda de cabelos e aumentar o seu volume entre outros efeitos benéficos. Ele deixa a pele mais luminosa, atenua as rugas, acaba com as espinhas. Ele também faz desaparecer dores articulares, cicatriza machucados, melhora a vista, favorece um sono de boa qualidade. Resultado, com esta receita gustativa o corpo fica mais esperto e passa a ser animado por uma energia positiva.

De fato, segundo France Guillain, o Miam-ó-fruta é «um verdadeiro motor para o organismo». Em geral ele faz parte da alimentação dos esportivos de alto nível. Mas também de outras pessoas cuja profissão exige uma boa forma física pela vida inteira. Como os atores, cantores de ópera, dançarinos, escritores, médicos advogados. Ou pessoas mais simples, que pensam que a saúde da família é um investimento que vale à pena assumir.

Ingredientes de boa qualidade

Mas neste sentido é importante usar produtos sem agro-tóxicos, quer dizer de preferência selvagens ou orgânicos.

Antes de começar a preparar o Miam a prioridade é lavar as mãos, em seguida as frutas. Todas as frutas devem ser bem lavadas e enxugadas, mesmo as de casca grossa como a banana.

Para preparar um Miam-ó-fruta é preciso: 1 banana média, 1 limão, várias frutas diferentes(1), sementes de linhaça e de gergelim integral cru, sementes e nozes variadas, óleo de boa qualidade, orgânico, extra virgem de primeira pressão à frio.

Proporções e conservação dos produtos

Cajus
Cajus, Natal, Brasil ©NOLDS 2003

Não se pode aumentar ou diminuir as proporções da receita, qual que seja a idade ou a corpulência da pessoa. Porque se a quantidade de banana for aumentada a sensação de fome aparecerá rapidamente, e um suplemento de nozes irritará os intestinos. Assim tudo o que fôr colocado à mais dos ingredientes citados complicará a digestão e o trabalho do cérebro.

Além disto é aconselhado conservar todos os oleíferos (grãos), mesmo inteiros, em frascos herméticamente fechados, em local fresco a menos de 18° à 20° e ao abrigo da luz. Como na parte inferior da geladeira, para eles não se oxidarem e se não se desmineralizarem. Isto é válido também para os óleos e as frutas. Quanto a linhaça ela deve ser consumida o mais rápido possível. Nota-se que a linhaça escura é mais laxativa do que a dourada.

Quanto mais fresco melhor

Ressalta-se também que castanhas, nozes e sementes(2) nunca devem ser compradas já moídas. Elas devem ser moídas em casa para que a farinha seja bem fresca. O ideal é triturá-las no momento de consumí-las. Todavia, em casa, tolera-se que sejam reduzidas em pó com antecedência, mas sómente em pequenas quantidades e, no máximo, o suficiente por apenas uma semana. O que sobrar poderá enfeitar saladas ou ser jogado na terra para as plantas, mas nunca poderá entrar num Miam-ó-fruta. Assim sendo é melhor comprar em pouca quantidade, e sobretudo verificar a data da recolta ou provar.

Bananas
Bananas

Quanto ao óleo ele deve ser de preferência o mais fresco possível, sempre olhar a data de fabricação. O óleo deve ter um cheiro agradável e o sabor da amêndoa da qual foi extraído. Confiar no paladar e no olfato.

Banana

Esta receita só precisa de meia banana, aproximadamente 8 cm. Amassá-la bem com um garfo num recipiente bonito, prato ou tigela. O objetivo de amassar bem a banana com o garfo é de oxidá-la para revelar as suas proteínas vegetais. A banana muda de côr, de cheiro, fica mais doce e mais digesta. Ela pode ser mesmo amassada na véspera, à noite. Ela ficará mais escura e isto não é grave, mas não é o caso das outras frutas.

Óleo

O óleo de colza ou canola (Brassica napus) é um produto de boa relação prêço-qualidade na França aonde eu vivo. Mas aonde não tiver óleo de colza ele pode ser substituído por uma mistura de óleos de linhaça e de gergelim cru, ou outros. Exceto azeite de oliva, a ser utilizado em outra refeição.

Juntar 2 colheres de sopa cheias de óleo na banana já perfeitamente amassada. Misturar bem, pilando com o garfo o óleo na banana até o óleo desaparecer completamente como numa maionese.

Sementes e nozes

Linhaça-dourada
Sementes de linhaça dourada

Incorporar ao creme obtido 2 colheres de sopa cheias mas rasas, passar uma faca ou o dedo em cima da colher, de sementes moídas de linhaça e gergelim. Ou só de gergelim se não gostar da linhaça.

Adicionar à mistura precedente 1 colher de sopa cheia, mas rasa, de 3 ou mais grãos diferentes moídos juntos(3) : castanha de cajú, do Pará, macadâmia, noz, amêndoa, amendoin, avelã, pistache, sementes de abóbora, de chia, etc. Variar à vontade.

Limão

Regar o creme obtido com o suco de meio limão exprimido na hora, ou no mínimo o equivalente de 2 colheres a café. Continuar amassando muito bem todos os ingredientes a fim que o creme obtido não fique com um sabor ácido ou desagradável. Ao saborear o Miam todos os ingredientes devem estar bem integrados de maneira que não se sinta nem o gosto do limão, nem o da banana, nem o do óleo.

Outras frutas

É importante que todas as frutas sejam sempre bem frescas, cruas e variadas. Descascar as frutas(4) que precisam ser descascadas. Tais: kiwi, papaia, manga, certas pêras ou maçãs, litchi, abacaxi, cáqui, tamarindo, maracujá, granada, pêssego, cajá, cajú, fruta de conde, tamarindo. Não é necessário descascar as frutas de pele fina(4), como: pêra, maçã, figo, goiaba, uva, morango, ameixa, carambola. Da carambola retirar somente a extremidade lateral dos gomos que são duras.

Frutas
Frutas et Miam

Em seguida cortar em pedacinhos um pedaço de cada fruta, no mínimo 3. Pode ser até pedaços pequenos de 10 frutas. Decorar o creme de banana com elas. Um prato decorado com carinho, como preparavam os meus queridos pais, é muito importante para abrir o apetite. E a combinação das frutas com o óleo permite uma melhor utilização deles pelo cérebro.

Mas jamais colocar no Miam frutas de digestão rápida. Como: laranja, toronja, tangerina, melancia, melão. Isto porque a digestão dessas frutas é muito rápida, e vai impedir o aparelho digestivo de tirar o melhor proveito das frutas do Miam. Também nunca utilizar frutas congeladas, em calda ou em conserva, porque elas são sem interesse para esse tipo de comida e aumentariam o tempo da digestão. Essas frutas que aqui são excluídas serão apreciadas em outro momento.

Observa-se que o Miam só contém açúcares lentos. Nele tudo é bem fresco e vivo. Ele é completamente cru e vegetal, sem cereais e produtos derivados do leite animal ou vegetal.

Leite de côco só fresco

Por isto é proibido usar leite, animal ou vegetal, ou sucos no Miam-ó-fruta. Porém é possível usar leite de côco fresco. Ou seja o leite de côco extraído da fruta em casa e consumido imediatamente. Quer dizer o leite da polpa do côco retirada da casca na hora de ser ralada e exprimida.

Um prato completo bem apetitoso

Coqueiro-e-côcos
Coqueiro com côcos, Pium, Natal, BR ©NOLDS 2007

Como já foi citado a apresentação é algo muito importante para o cérebro. Em vista disso as frutas são cortadas em pedacinhos para ficarem mais apetitivas. Mas também para facilitar a mastigação e a tentação de serem engolidas, antes de suficientemente mastigadas. Por isto mesmo as frutas pequenas(3) devem ser cortadas: cerejas, framboesas, morangos, uvas.

Sobretudo as pessoas idosas e as crianças ficam entusiasmadas diante do saboroso Miam. Dá água na boca ver os lindos pedacinhos de frutas coloridas. Elas podem ser apresentadas separadinhas em tigelinhas ou misturadas em volta do creme de banana, ou ainda em cima dele como uma coroa de frutas preciosas.

Uma boa mastigação é imperativa

Porém o essencial é : mas-ti-gar! Mastigar é uma das bases da alimentação. Tudo o que se põe na boca deve ser triturado pelos dentes lentamente até ficar líquido antes de passar ao estômago. « Mesmo a sopa e outros líquidos, afirma France Guilain, devem ser bem mastigados » para o estômago digerir melhor. Mais rapidamente, sem fadiga, assimilando perfeitamente os alimentos ingeridos, nutrindo os órgãos e evitando carências alimentares. O estômago não tem dentes. Ele só sabe digerir ! E o Miam-ó-fruta deve ser mastigado por pequenas porções entre trinta e quarenta minutos para ser bem salivado e que cada porção fique liqüidificada. O que permite ao cérebro de analisar, de organizar uma assimilação perfeita e de saciar o apetite por mais de cinco horas.

Mastigar bem protege os dentes, as gengivas, o maxilar, além de ser um bom exercício para os ossos maxilares. Resultado: o rosto fica mais estruturado, mais bonito, mais harmonioso. E a zona do cérebro chamada hipocampo põe-se a trabalhar. Isto é ótimo para a memória!

O miam-ó-fruta é um investimento saudável

Sem contar que uma boa mastigação ajuda a emagrecer, porque a sensação de fome e a saciação são mais rápidas. Por consequência a quantidade de alimentos ingerida é menor. Constata-se assim que o Miam-ó-fruta é uma refeição econômica porque compensa o custo mais caro dos produtos orgânicos. Trata-se de um investimento na saúde. Como me ensinou o meu sábio pai, o senhor Manoel Brum De Souza (1917-2002) do restaurante Monteiro (Nitérói, RJ, Brasil). Papai dizia : « Come-se menos porém de melhor qualidade, e evita-se o tempo de espera nas salas dos médicos e o prêço da consulta ». Mas come-se em silêncio como narra Eça de Queirós (1845-1900) em A Capital, p. 238, « … E calados, um instante, … iam mastigando o pudim ».

Carambola
Carambola

Mas é claro que enquanto cada bocadinho é mastigado é indispensável pensar em coisas boas. Por exemplo, pode-se imaginar as pessoas que cultivaram tais alimentos, agradecer a terra que deu tantos nutrimentos, louvar as árvores que forneceram frutas tão saborosas.

Outra maneira de preparar o Miam-ó-fruta

Para alguém que tem dificuldade de mastigar, o Miam-ó-fruta pode ser preparado em forma de vitamina. Todavia a banana deve ser amassada com o garfo antes dela ser batida no liquificador com as nozes, as sementes moídas, as frutas cortadas e algumas colheres de sopa de água.

Dessa maneira a vitamina obtida fica tão espessa que ela não pode ser bebida gulosamente. Entretanto é imperativo que cada golinho seja mastigado enquanto é saboreado, antes de ser deglutido.

Mais informações sobre os ingredientes

Banana

A banana nos fortifica. Sendo rica em potássio ela é um elemento indispensável para controlar o consumo de sal e manter em bom estado o esqueleto, assim que os tecidos e células do corpo. Aliás a banana é o alimento preferido dos grandes atletas. Ela é provavelmente o alimento que mais tem triptofano, um aminoácido essencial ao organismo, que produz a serotonina no cérebro. A serotonina é conhecida como o hormônio da felicidade. É um ante-depressivo natural que contribui para a sensação de bem-estar.

Sendo a banana a fruta mais rica em proteínas vegetais, o que permite de guardar o óleo em emulsão desde a ingestão até os intestinos. Se oxidando a banana revela suas proteínas vegetais e fica mais doce e digesta. Amassada e oxidada ela é um dos melhores reparadores e protetores da flora intestinal. Isso foi demonstrado pelos pioneiros da medicina natural, como os doutores Paul Carton (1875-1947) et Catherine Kousmine (1904 -1992).

Banana ou damasco

A jornalista France Guillain afirma que a banana « é um alimento tolerado pela maioria das pessoas de 3 à 130 anos. Ela é utilizada verde ou madura nas farinhas fabricadas para bebés, precisa a autora no livro « La Méthode » p. 27. Mesmo quem não a suporta por causa do cheiro ou da textura a aprecia no Miam. E 99% dessas pessoas nem sentem que tem banana na receita ». Entretanto quem detestar banana, ou tiver alergia, poderá substituí-la por damascos orgânicos secos reduzidos em creme, depois de tê-los deixado de molho na água durante uma noite inteira. 

Óleo

Quanto ao ômega 3 contido nas duas colheres de sopa de óleo ele vai nutrir e satisfazer o organismo com o que ele precisa, por 24 horas. Acompanhado com os variados oleíferos (grãos) ele oferece um melhor aproveitamento de todos os ômegas ao organismo.

Como o óleo está emulsionado na banana e mastigado lentamente, o cérebro tem o tempo necessário de analisar e ordenar à digestão para ela guardar o que precisa e expulsar o resto, ajudando eficazmente o diálogo entre o cérebro e os outros órgãos.

Colza-ou-canola
Colza ou canola (Brassica napus)

France Guillain argumenta que, segundo um estudo canadense da Associação Americana de Diabetes, o óleo de colza ou canola (Brassica napus) ajuda a abaixar a taxa de açúcar no sangue dos diabéticos do tipo 2. Ele é bom para as articulações, para a reconstrução óssea, e reduz as dores da artrose graças ao ômega 3. Ele favorisa a absorvição dos anti-oxidantes contidos nas frutas e legumes, e em particular da vitamina A.

Papel do óleo no organismo

Existem mais de 25 óleos e nós precisamos deles todos. Alguns são saturados outros são mono ou poli-insaturados.

Por dia, em geral, nosso organismo precisa de seis colheres de sopa de óleo cru. Por isto nesta receita mistura-se o óleo com uma variedade de amêndoas. A combinação do óleo com elas permite que o organismo aproveite completamente dos benefícios dos diversos ômegas neles oferecidos pela Natureza.

Duas médias de grãos dão apenas un dedal de óleo

Certo os óleos custam caro porque para obter-se um pouquinho de óleo precisa-se de uma boa quantidade de grãos. Por exemplo, para preencher um dedal de óleo são necessárias duas xícaras grandes de grãos. Certo todas as frutas contéem um caroço ou uma semente que tem um óleo cru. Neste sentido o Brasil é riquíssimo por sua variedade inestimável de frutas e vegetais comestíveis que valem ouro. Riquezas naturais, selvagens, que vêm sendo destruídas por ignorantes poderosos no lugar de serem valorizadas.

Grãos secos

Atenção os grãos do Miam-ó-fruta não devem ser molhados antes. Um grão seco, molhado ou germinado não é o mesmo alimento. É claro que se um grão ficar, durante um certo tempo, dentro da água ele vai revelar os seus oligo-elementos mas ele perdeu os seus ômegas. E o que é interessa ao Miam-ó-fruta é sobretudo o óleo contido no grão. E é no grão seco que se encontra a maior quantidade de óleo. Por isto os grãos do Miam-ó-fruta nunca devem ficar de molho.

CHON

Neste sentido é bom falar do CHON. Tudo o que é orgânico, plantas, animais, humanos, é composto na base de carbono (C), hidrogênio (H), oxigênio (O) e azoto (N). Quer dizer de CHON.

Assim o que faz a diferença entre dois sêres vivos, ou as diferenças de textura, são as combinações entre esses elementos. O petróleo é feito de CHON. Da mesma maneira que as rendas de náilon, a lã polar, os tapetes sintéticos, os equipamentos dos automóveis, etc.

Gergelim
Sementes de gergelim

Peguemos um grão de trigo por exemplo. O grão de trigo seco é composto de CHON em forma de amido. O trigo moído vira farinha para preparar bolos, pães, cremes. Mas se o grão de trigo passar uma noite inteira de molho na água ele não poderá se transformar em farinha, porém ele vai revelar seus oligo-elementos. Se o trigo continuar a ser regado ele gera um germe bem rico em vitaminas e sais minerais, mas sem amido suficiente para fazer a farinha. E se ele continuar recebendo água ele se metamorfoseia em planta. Na realidade este grão de trigo só recebeu água, H2O. Ou seja 2 moléculas de hidrogênio e 1de oxigênio que aos poucos modificaram as suas moléculas. Mas ele não é o mesmo alimento. Contudo ele ainda é composto de C, H, O, N, só que em proporções diferentes segundo o estado por que passou.

Importância dos produtos da receita

O cérebro humano nunca foi tão solicitado como atualmente. Há 70 anos atrás uma pessoa podia trabalhar uma vida inteira sem saber ler ou escrever. Hoje o cérebro é obrigado a trabalhar muito mais. Por consequência, ele consume mais açúcares (glucídios) e mais óleos (lipídios). E a combinação dos dois no Miam permite uma melhor utilização de um e do outro pelo cérebro. É interessante sublinhar que o bom açúcar é o das frutas frescas e que o único óleo bom é o sem agro-tóxicos, orgânico e cru.

Quanto a linhaça ela fornece uma boa quantidade de ômegas 3, além de várias outras virtudes bem úteis ao cérebro. O gergelim oferece o cálcio. Observa-se que os Asiáticos, por exemplo, que « não se alimentam com nenhum produto lactéo não têm problemas de osteoporose porque eles comem gergelim todos os dias », afirma a médica, gerontologista-nutricionista, Dominique Lanzmann- Petithory, dans La Diététique de la longévité, éd Odile Jacob. Sem esquecer a ajuda que o gergelim e a linhaça dão à pele, que fica bem hidratada, mais elástica e bonita.

Limão
Limão, indispensável no Miam-ó-fruta

Como funciona a mistura de óleo, limão e outras frutas

Para o óleo ficar completamente emulsionado, quer dizer reduzido em gotinhas finíssimas capazes de passar a barreira do intestino. Ele deve ser acompanhado pelo menos do suco de limão exprimido na hora, para a vitamina C atuar de maneira indispensável no Miam-ó-fruta. Assim a vitamina C pode liberar o óleo dos radicais livres que ele capturou no estômago. Dessa maneira o óleo se regenera e volta a ser virgem. Ou seja torna-se mais útil, podendo alimentar corretament as membranas celulares que são feitas de 60% de gordura.

Quando o óleo se oxida ele torna-se, óbviamente, oxidante para o corpo. Mas a vitamina C do limão tem o poder de limpar o óleo. Mas com esse trabalho a vitamina C torna-se inoperante e é a presença das outras frutas variadas que vai regenerar o limão. Comprende-se então como cada elemento presente no Miam-ó-Fruta tem um papel determinado. Onde cada um ajuda o outro para o melhor lucro de todos, e de cada um.

O que beber com o Miam-ó-fruta ?

Esta preparação pode ser acompanhada de uma taça de chá verde ou de uma infusão. Entretanto deve ser sempre sem açúcar e sem leite. No inverno, se as frutas estiverem ácidas, pode-se adicionar um pouquinho de mel e de pólen fresco ao Miam.

Frutas-mercado-de-Pium
Frutas, mercado de Pium, Natal ©NOLDS 2007

Como conservar e transportar o Miam

Por exemplo, uma vez por semana preparar dois frascos herméticos de boca larga, que deixe entrar uma colher de sopa. Dentro do primeiro colocar o gergelim moído com a linhaça. No segundo pôr as nozes e sementes trituradas.

Inclusive a banana amassada, com o óleo e as sementes moídas(4), e mesmo as outras frutas podem ser preparadas por uma semana. Desde que sejam guardadas na geladeira num recipiente herméticamente fechado, para evitar o ar e reduzir o risco de oxidação. Deste modo é só adicionar, na hora de consumir, o suco de limão e as frutas ao creme de banana.

Todavia cada porção deve ser preparada individualmente e colocada em recipientes separados. A saber que é proibido preparar o Miam-ó-fruta em grande quantidade para ser dividida em partes. Numa família cada um prepara o seu. Exceto se fôr para dar de presente para uma pessoa idosa.

O Miam-ó-fruta deve ser transportado numa embalagem bem fechada e hermética. É indicado evitar plásticos, ruins para a saúde.

Quando comer o Miam-ó-fruta ?

O ideal é comer o Miam-ó-fruta em jejum. Porém ele pode substituir o almôço ou o jantar. Ou ainda ser saboreado três horas depois de uma refeição, mas sem nada absorver nas duas horas seguintes.

Frutas-do-Brasil
Frutas do Brasil

Com certeza qual que seja o momento escolhido o Miam-ó-fruta torna-se logo indispensável para os que querem ficar atentos e espertos durante o dia. E ter um sono agradável e recuperador.

 Hoje em dia apesar de sermos obrigados a nos adaptar rapidamente à mutação do mundo, que está numa fase de sofrimento, ainda temos a liberdade de escolher o que gostaríamos de comer. E de preferência produtos que sejam bons para os nossos órgãos, que ajam como um remédio sem causar efeitos nocivos para a saúde. Enfim algo que seja bom não somente para o corpo, mas igualmente para a mente, o paladar, e o bolso!

Miam-ó-fruta e Banho derivativo

Segundo a cientista France Guillain o Miam-ó-fruta é mais ativo acompanhado do Banho derivativo ou Yokool. Trata-se de um banho genital, externo e frio que limpa, tonifica e desintoxica o organismo. No entanto a acunpunturista S. B. diplomada em Medicina tradicional chinesa e Fitoterapia ressalta que é melhor « só em tempos quentes, nunca no inverno ».

Livros-de-France-Guillain
Alguns livros de France Guillain

Todavia France Guillain esclarece que uma boa alimentação variada, sem excesso de quantidade e se possível acompanhada do banho derivativo (ou D-CoolinWay, ou Yokool) fornece imensos benefícios para o organismo.

Enfim o banho derivativo consiste em guardar o períneo bem fresquinho para controlar a temperatura do corpo. Ele faz parte da higiene de vida dos humanos desde os tempos bem remotos. É universal, sem perigo, e tão arcaico quanto o aleitamento. « Ele é o substituito da nudez habitual dos primeiros seres humanos nos países quentes, explica France Guillain. Os animais o praticam sem se questionar ».

Gorduras marrons

Além de France Guillain estudos praticados na Universidade de Harvard (USA) atestam que refrescar o períneo favorece o aparecimento das gorduras marrons, que são benéficas para o organismo. E essas gorduras boas para a saúde resultam de uma alimentação inteligente e de uma mastigação correta. Quando essas gorduras são ativadas pela baixa temperatura interna do corpo elas completam pelo menos 18 funções fundamentais. Inclusive uma delas é o transporte das células troncos reparadoras. Tais como as células troncos da seiva das árvores, estas células regeneram o corpo em permanência. É claro que a água fria estimula a circulação sanguínea e linfática, além de ser um método simples e econômico para ativar o metabolismo. Mas nem todos a apreciam.

Uma equipe que ganha

Assim o segredo de France Guillain para guardar uma boa saúde, além de evitar se possível bebidas álcoolicas e tabaco, é uma alimentação sadia, equilibrada, variada, « bem mastigada à base de frutas, legumes, e leguminosas. Como o nosso feijão preto, mas sómente 2 colheres de sopa por dia. E outros alimentos segundo a necessidade do organismo. Sem esquecer, nas horas certas, banho de sol, exercícios físicos com contração do períneo.

Dica para perder pêso

Goiaba-brasileira
Goiaba brasileira

É interessante precisar que para evitar quilos à mais, sem se privar, é bom saborear uma fruta crua, uma maçã por exemplo, antes de uma refeição ou festa. E sempre beber um copo de água antes de tomar vinho, cerveja, milk-shake, chocolate quente, …

Em suma, o confinamento atual por causa do Coronavírus ou as férias é um momento ideal para experimentar o Miam-ó-fruta. Outra boa iniciativa é também de se alimentar com produtos selvagens, naturais, sem agro-tóxicos. Enfim o método de France Guillain é todo um programa para ficar em forma, sem rejeitar os outros alimentos.

Bom apetite !

NOLDS.

(Tradução, reescritura e adaptação)

Notas :

(1) Atenção: não confundir frutas e legumes. Tomate, abacate, beringela, abóbora, abobrinha, pimentão, pimenta, são frutos no sentido botânico. Mas não são frutas do ponto de vista alimentar.

(2) Nunca cozinhar nozes e sementes moídas. Nem colocá-las na massa de um bôlo porque elas perdem as qualidades nutritivas quando cozidas.

(3) É bom saber que 2 avelãs, 1 amêndoa, 1/2 noz ou castanha do Pará, moídas juntas dá 1 colher de sopa rasa de pó.

(4) As frutas pequenas devem sempre ser orgânicas ou selvagens. Sendo pequenas e de pele fina essas frutas absorvem completamente o veneno dos agro-tóxicos e podem causar doenças graves.